Com duas medalhas mundiais e vaga Olímpica, Seleção Juvenil volta ao Brasil

Com duas medalhas mundiais e vaga Olímpica, Seleção Juvenil volta ao Brasil

equipe brasileira - divulgacao CBTKD
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Rio de Janeiro – Após 15 dias em Hammamet, na Tunísia, a Seleção Brasileira Juvenil de Taekwondo encerrou suas participações no Campeonato Mundial Junior e Seletiva Olímpica dos Jogos da Juventude – YOG com saldo positivo. A equipe retorna ao país com a conquista de três medalhas de bronze, uma vaga olímpica e uma nova geração com expressiva experiência internacional.

WhatsApp Image 2018-04-13 at 13.12.33

Entre os dias seis e sete de abril foi realizada a seletiva Olímpica dos Jogos da Juventude, que serão disputados em Buenos Aires, na Argentina, no mês de outubro. O Brasil contou com seis representantes e garantiu presença na categoria até 55 quilos feminino, com Sandy Macedo. O evento contou com mais de 400 taekwondistas, de 111 distintas nações.

Para esta conquista, a brasileira encarou na estreia, a medalhista mundial, da etapa de 2016, Gabriela Briskarova, da Eslováquia. Na sequência, Sandy levou a melhor contra Mell Mina, do equador, e Safia Salih do Marrocos. Na semifinal, contra a grega, Fani Tzeli, que mais tarde conquistou a primeira colocação, Sandy não conseguiu superar a adversária e perdeu o combate, por 5 a 7, garantindo a terceira colocação.

– Estou muito feliz! Achei que lutei bem e consegui seguir todas as estratégias que meu técnico passou. Estava com boas expectativas no torneio e fiquei feliz em ter garantido a vaga e mais ainda com a medalha que conquistei – comentou Sandy Macedo.

Na sequência, entre os dias nove e 13, o Brasil contou com força máxima, equipe completa, formada com 18 atletas entre 15 e 17 anos, e iniciou sua campanha no Campeonato Mundial Junior, também em Hammamet. Foram cinco dias intensos, de muito Taekwondo, com presença brasileira em todas as etapas. Com nível técnico elevado, o torneio reuniu de 941 atletas.

Na terceira etapa, pela categoria até 59 quilos, o paulista Gabriel Fabre Ramos, conquistou a medalha de bronze para o país. Para chegar ao pódio o brasileiro derrotou o português Nuno Vieira, o mexicano Norberto Santamaria, o tunisiano Mohamed Khelifi e o chadiano Casimir Djinodi. Na semifinal, mais um duro confronto, com o turco Arslan Demir, em que o adversário levou a melhor, por 19 a 12 pontos.

– É muita felicidade poder representar o Brasil e conquistar esta medalha, mesmo não sendo de ouro. A competição está muito bem organizada e com nível muito alto – comentou Gabriel Ramos.

Na última etapa, Patrick Cardoso garantiu mais um pódio com presença brasileira. Desta vez, na categoria acima de 78 quilos, em que o taekwondista do Brasil faturou a terceira colocação. Até chegar na medalha, o brasileiro venceu o libanês Ray Rahy, na estreia. Na sequência, teve êxito noss confronto contra o mexicano, Carlos Trujano, e o norte-americano, Vlado Duvnjak. Na semifinal, Patrick não passou por Meng-en Lee, da China.

WhatsApp Image 2018-04-13 at 13.14.46

Com estes resultados o Brasil chegou a soma de 26 medalhas em campeonatos mundiais e a 11ª em mundiais da categoria junior. Com isto, a geração 2018 se igualou a campanha feita em 2000, como o segundo melhor desempenho brasileiro, em número de medalhas, em mundiais da categoria junior.

-Nosso planejamento contava com uma medalha, o que vínhamos apresentando nos últimos anos, mas conseguimos duas, fato que não acontecia desde 2000. Há 18 anos não tínhamos mais de uma medalha em mundial Junior e isto, alem do nivel estar muito forte, faz com que o saldo seja positivo. A equipe se portou muito bem e a comissão técnica soube tirar o melhor de cada situação. Tivemos boas surpresas e excelentes resultados, com atleta experientes correspondendo às expectativas e com os de menor experiência ganhando bagagem internacional – analisou Natália  Falavigna, chefe de equipe e diretora tecnica da CBTKD.

A melhor campanha brasileira em mundiais junior, em número de medalhas, foi em 1998, com quatro pódios. Na sequência vêm 2000 e 2018, com duas medalhas em cada edição. Veja abaixo o histórico brasileiro de medalhas em Campeonatos Mundiais.

– O resultado brasileiro foi muito bom, com duas medalhas, o que ha anos não acontecia e uma vaga para o YOG. O nível técnico esteve bem alto. Algumas equipes dominaram, como o Iran, no masculino, e Grã Bretanha no feminino. Saímos com a sensação de missão cumprida e com a certeza de um bom trabalho feito pela gestão, como, por exemplo, o treinamento de campo, que fez com que nos conhecemos um pouco mais esses atletas e pudessemos direcionalos melhor – Erickson.

WhatsApp Image 2018-04-13 at 13.12.32

Bruno Igreja integrante da comissão técnica do Brasil ressaltou a importância da evolução técnica da equipe e
destacou a vitWhatsApp Image 2018-04-13 at 13.12.17oria brasileira contra fortes adversários.

– A seleção apresentou boas performances e com grandes avanços, em algumas categorias, vencendo países com forte tradição, como Inglaterra e México. Nas categorias que não obtivemos êxito, foram por detalhes e coisas que podemos ajustar. Mostramos nossa capacidade de subir ao pódio nas categorias mais leves, como 55, e nas mais pesadas, repetindo o último bom resultado brasileiro, em 2016. Acreditamos que nas competições futuras, com nossos ajustes, os resultados possam ser ainda melhores – analisou Bruno Igreja.

Para o treinador, Edgar Guimarães, as ações preparatórias realizadas em conjunto pela equipe do Brasil fizeram diferença no processo de evolução dos atletas, e isto dá esperança para a conquista de bons resultados em competições futuras.

– Esta competição foi bem positiva para o desenvolvimento dos atletas, assim como as ações preparatórias, como o treinamento de campo.  Sou técnico do Patrick, que conquistou a medalha de bronze, e desde o treinamento até aqui ele teve uma evolução enorme. Na comissão técnica tivemos um trabalho interessante, em conjunto, com cada uma passando sua experiência para auxiliar o outro. Acredito que no Pan-Americano do ano que vem, com essa base mantida, o resultado vai ser ainda mais interessante – Edgar Guimarães.

Esta ação foi organizada pela Confederação Brasileira de Taekwondo e contou com apoio do Comitê Olímpico do Brasil.

 

Conheça a delegação brasileira que disputará o Mundial Junior:
Danielly Vitoria Gonçalves Neris – até 42kg
Cintia Soares Cardoso – até 44kg
Rosa da Silva Batista de Souza – até 46kg
Suzanna de Almeida Aquino – até 49kg
Larissa Nascimento Rossi Santos – até 52kg
Sandy Camila Leite Macedo – até 55kg
Giovanna Campos Schardosin – até 59kg
Livia Borba de Oliveira – até 63kg
Vander Wolliver – até 45kg
Pedro Eduardo Mota da Silva – até 48kg
Gabriel Thomaz Hubner Alves – até 51kg
Erick Luis Silva – até 55kg
Gabriel Fabre Ramos – até 59kg
Marcos Toledo de Souza – até 63kg
Matheus Carbinatti – até 68kg
Ronald Silva do Nascimento – até 73kg
Vitor Candido Porto – até 78kg
Patrik Pereira Cardoso – acima de 78kg

Equipe técnica:
Rodney Saraiva, Erickson Busatto, Fábio Lourenço, Bruno Igreja, Edgar Guimarães e Natália Falavigna – chefe de equipe.

Quadro de medalhas brasileiras em Campeonato Mundiais – WTF
Ouro

2000 – Natália Falavigna – (-63) – Killarney – Junior
2005 – Natália Falavigna – (-72) – Madrid
2014 – Edival Marques – (-63) – Taipai – Junior

Prata
1993 – Alyson Yamaguti – (-54) – New York
1993 – Milton Iwana – (-64) – New York
1995 – Leonildes Santos – (-55) – Manila
1998 – Wallassi Aires – (-73) – Istanbul – Junior
2002 – Tamara Ferreira – (-42) – Heraklion – Junior
2005 – Marcio Wenceslau Ferreira – (-62) – Madrid

Bronze
1991 – Jorge Gonçalves – (-64) – Athen
1995 – Lúcio Aurélio Freitas – (+ 83) – Manila
1998 – Diogo Silva – (-63) – Istanbul – Junior
1998 – Marcel Ferreira – (-51) – Istanbul – Junior
1998 – Paulo Cavechia – (-59) – Istanbul – Junior
2000 – Marcela Pereira – (-44) – Killarney – Junior
2001 – Natália Falavigna – (-63) – Jeju
2007 – Natália Falavigna – (-72) – Peking
2007 – Marcel Ferreira – (-62) – Peking
2009 – Natália Falavigna – (+73) – Kopenhagen
2013 – Guilherme Dias Alves – (-58) – Puebla
2015 – Venilton Teixeira –  (-54) – Chelyabinsk
2015 – Iris Silva Tang Sing – (-46) – Chelyabinsk
2016 – Leandro Abner Souza –  (+ 78) – Burnaby – Junior
2017 – Maria Clara Pacheco –  (-47) – Sharm el Sheikh – Cadete
2018 – Gabriel Fabre Ramos – (-59) – Hammamet – Junior
2018 – Patrick Cardoso – (+78) – Hammamet – Junior

 

Deixe um comentário!

0 Comentários

Comente